Leptospirose em cães

Toxocarose: a zoonose desconhecida

Quase todos os cães e gatos, sobretudo quando jovens, apresentam parasitas internos (lombrigas, como se conhecem) nalgum ponto da vida deles. E apesar de quase todos os tutores saberem dos riscos, incluindo o seu potencial zoonótico, a verdade é que: os parasitas internos ainda são muito comuns!

Os cães que vagueiam ou têm acesso abundante ao exterior têm risco acrescido, mas isso não significa que os pets de casa não possam sofrer de parasitas também.

Um programa de desparasitação regular é essencial não só para proteger a saúde do seu patudo, mas também para reduzir a quantidade de parasitas que ele dissemina pelo ambiente que vos rodeia, sabendo que o risco existe também para os humanos.

Toxocarose é uma doença provocada por parasitas nemátodes da família Ascarididae, da espécie Toxocara canis, no caso de cães, e Toxocara cati, no caso de gatos. Por ter maior potencial zoonótico (isto é, por mais facilmente e de uma forma mais grave) vamos sobretudo concentrar-nos no ciclo de vida e infecciosidade do Toxocara Canis.

Toxocara canis cumpre o seu ciclo de vida em cães, com os humanos a adquirirem a infecção como hospedeiros acidentais. Os ovos não embrionados são vertidos nas fezes do hospedeiro definitivo. Os ovos embrionam e tornam-se infecciosos no ambiente . Após a ingestão pelos cães , os ovos infecciosos eclodem e as larvas penetram na parede intestinal. Nos cães mais jovens, as larvas migram através dos pulmões, da árvore brônquica e do esófago; os vermes adultos desenvolvem-se e ovipositam no intestino delgado . Em cães mais velhos, também podem ocorrer infecções visíveis, mas o enquistamento larvar nos tecidos é mais comum. Em cães fêmeas são reactivadas fases enquistadas durante a gravidez tardia e infectadas pelas vias transplacentárias e transmamárias dos cachorros (5), em cujo intestino delgado os vermes adultos se estabelecem. Os cachorros são uma fonte importante de contaminação ambiental dos ovos. 

Os ovos de Toxocara canis também podem ser transmitidos através da ingestão de hospedeiros paraténicos: ovos ingeridos por pequenos mamíferos (por exemplo, coelhos) eclodem e as larvas penetram na parede intestinal e migram para vários tecidos, onde se encifra . O ciclo de vida é completado quando os cães comem estes hospedeiros  e as larvas evoluem para vermes adultos em postura de ovos no intestino delgado. 

Os ovos de Toxocara têm uma forte camada protectora, que permite que os ovos sobrevivam no ambiente durante meses ou mesmo anos nas condições certas. Os seres humanos ou outros animais (por exemplo coelhos, porcos, bovinos ou galinhas) podem ser infectados pela ingestão acidental de ovos de Toxocara.

Os humanos são hospedeiros acidentais que ficam infectados pela ingestão de ovos infecciosos em solo contaminado  ou hospedeiros acidentais infectados. 

A contaminação ambiental com ovos de Toxocara é comum na maioria dos países, principalmente em parques públicos urbanos, com taxas positivas de amostras de solo obtidas em parques que vão de 17,4 a 60,3% no Brasil, 14,4 a 20. 6% nos EUA, 13,0 a 87,1% na Europa, 30,3 a 54,5% em África e 6,6 a 63,3% na Ásia. Em alguns países temperados, como a Alemanha e a Inglaterra, embora tenham sido comunicados apenas alguns casos de toxocarose humana , verificou-se que a contaminação ambiental com ovos de Toxocara é elevada. A presença de ovos embrionados de Toxocara ligados ao pêlo de cães, gatos e raposas, representa outra via através da qual os seres humanos podem adquirir infecção de cães ou gatos . Embora o número total de ovos detectados em pêlos de animais varie, os cachorros e os animais vadios tinham números de ovos mais elevados na sua pelagem do que os outros.

Após a ingestão, os ovos eclodem e as larvas penetram na parede intestinal e são levados pela circulação a uma grande variedade de tecidos (fígado, coração, pulmões, cérebro, músculo, olhos) . Embora as larvas não sofram qualquer outro desenvolvimento nestes locais, podem causar reacções locais graves que são a base de toxocarose. As duas principais apresentações clínicas de toxocarose são as larvas viscerais migrans e as larvas oculares migrans. O diagnóstico é geralmente feito por serologia ou pela descoberta de larvas em espécimes de biópsia ou autópsia.

Por todos estes factores é fundamental um programa de desparasitação regular é essencial não só para proteger a saúde do seu patudo, mas também para reduzir a quantidade de parasitas que ele dissemina pelo ambiente que vos rodeia, sabendo que o risco existe também para os humanos.

408
Add