Leptospirose em cães

Leptospirose – prognóstico, fatores de risco, prevenção

 Qual é o prognóstico da Leptospirose?

 

A Leptospirose é uma doença curável, contudo grave e potencialmente fatal. Estão descritas diferentes taxas de sobrevivência que variam consoante a localização geográfica e com os serovares suspeitos na infecção. Diferentes serovares afectam diferentes orgãos, podendo este ser um factor relevante para o prognóstico.

 

O período de hospitalização de cães infetados é variável com o serovar. Embora rondando em média os 8 dias, este período pode ser superior a 20 dias. Alguns estudos mostram que o período de tempo entre o aparecimento dos sintomas e o início do tratamento não influencia directamente a sobrevivência dos pacientes. No entanto, o sucesso do tratamento de leptospirose parece estar associado à estabilização dos parâmetros renais num intervalo de 14 dias.

 

Parâmetros bioquímicos, como o grau de leucocitose e de trombocitopénia (elevação de glóbulos brancos e diminuição de plaquetas, respectivamente), são indicadores que parecem afectar negativamente o prognóstico da recuperação. Além disso, o desenvolvimento de complicações respiratórias quando existe trombocitopénia grave, também está frequentemente associado a um desfecho pouco favorável.

 

Que vacinas existem?

 

Actualmente encontram-se disponíveis várias vacinas contra a leptospirose. Estas vacinas são formadas por bactérias inactivas de Leptospira spp, e são constituídas por serovares representativos de diferentes serogrupos.

 

Uma vez que existem vários serovares de Leptospira spp capazes de causar doença clínica nos cães, as vacinas geralmente incluem mais do que um serovar na sua constituição.

 

Assim, consoante o número de serovares, estas vacinas podem ser bivalentes (2 serovares), trivalentes (3 serovares) ou quadrivalentes (4 serovares).

 

As primeiras vacinas para leptospirose seriam bivalentes, contendo serovares  pertencentes aos serogrupos L. interrogans Canicola e Icterohaemorrhagiae. Contudo, a situação epidemiológica na Europa alterou-se e o número de serovares de Leptospira spp presentes nas vacinas foi atualizado. Atualmente as vacinas contêm os serovares que se sabem mais prevalentes.

 

Um ponto importante a considerar na vacinação contra a leptrospirose é o facto das vacinas actualmente utilizadas induzirem imunidade para o serogrupo dos serovares utilizados na vacina, contudo não garantem uma protecção cruzada eficaz para outros serogrupos existentes.

 

Desta forma, a vacinação contra leptospirose deve ter sempre em consideração os serovares de maior prevalência em cada região.

 

Em Portugal estão disponíveis vacinas bivalentes, trivalentes e quadrivalentes. De qualquer maneira é sempre importante consultar a bula das vacinas (para saber quais os serovares para os quais a vacina oferece proteção), e perguntar ao seu médico veterinário sobre qual a vacina mais adequada. O facto de uma vacina ter mais valências não implica necessariamente que seja a que confere mais proteção.

 

 

Quais os fatores de risco da Leptospirose? 

 

A leptospirose é uma doença amplamente difundida e, dada a existência de diferentes serovares de Leptospira spp capazes de causar a doença em cães, os factores de risco podem variar geograficamente.

 

No que diz respeito ao risco de leptospirose na Europa, os cães estão potencialmente expostos aos serogrupos Icterohaemorrhagiae, Australis, Canicola, Grippotyphosa e Sejroe. Estes serovares apresentam diferentes espécies como animais reservatório específicos, que incluem os cães, diversos animais selvagens, ratos e outros roedores.

 

Em Portugal, estudos realizados entre 1992 e 2011 demonstraram a presença destes mesmos serogrupos no país. No entanto as prevalências entre serogrupos são diferentes, revelando também uma variação de serogrupos em diferentes regiões. Ou seja, serovares presentes na região norte do país podem não ser os mesmos serovares encontrados na região sul.

 

O clima e as condições ambientais são também factores importantes a considerar no risco para leptospirose. Existem estudos que demonstram um aumento de incidência e surtos de leptospirose associados a períodos de elevada pluviosidade e cheias.

 

Desta forma, tendem a surgir mais casos de leptospirose canina nos meses de Outono, estação durante a qual a temperatura ambiente é adequada para a sobrevivência das leptospiras. Estas, apesar de não se multiplicarem fora de um hospedeiro, tendem a sobreviver em águas estagnadas ou correntes lentas. As leptospiras podem manter-se na água e em solo molhado durante longos períodos de tempo.

 

Neste sentido, podem considerar-se factores de risco acrescido:

 

  • cães que tenham acesso e bebam água de fontes não tratadas, como rios e lagos
  • cães expostos a animais selvagens e roedores, como cães utilizados em caça e que habitem em quintas ou zonas rurais
  • cães que nadem em águas não tratadas, estagnadas ou pantanosas
  • cães que habitem exclusivamente no exterior
  • cães que viajem para localidades rurais
  • cães que tenham contacto com animais de produção

 

A leptopspirose deve também ser considerada uma doença urbana e não apenas rural. Esta doença pode ser associada à proximidade a parques públicos e zonas recentemente urbanizadas. A razão desta associação deve-se ao facto de nestas zonas ser mais provável encontrar espécies reservatório urbanas (roedores).

 

Devo vacinar o meu cão?

 

A vacinação dos cães contra a leptospirose deve ter sempre em conta o estilo de vida, o comportamento dos cães e o conhecimento dos serogrupos mais prevalentes da região.

 

A vacinação é uma ferramenta importante na prevenção da doença. Existem uma série de motivos pelos quais o Médico Veterinário pode aconselhar a vacinar contra Leptospirose:

 

  • A vacinação reduz a probabilidade de infecção para os serogrupos presentes na vacina utilizada
  • A vacinação reduz a doença clínica e a mortalidade dos animais vacinados
  • A vacinação garante proteção contra a infecção renal e estado de portador renal
  • A vacinação protege da eliminação urinária de leptospiras

 

Tanto as declarações do Colégio Americano de Medicina Interna Veterinária (ACVIM) como do Consenso Europeu sobre Leptospirose em cães e gatos defendem o uso de uma vacina polivalente para cães em risco e a sua revacinação anual, se o risco se mantiver.

 

A vacinação contra Leptospirose é recomendada a partir das 8 semanas de idade. Quer em cachorros, quer em cães adultos são necessárias duas administrações espaçadas de 3-4 semanas.

 

A vacinação garante imunidade durante pelo menos 12 meses. A revacinação anual de cães em situações de risco é aconselhável. Cães que tenham sido previamente infectados por Leptospira spp e que tenham recuperado da doença também devem ser revacinados anualmente.

 

A vacinação dos cães tem também sérias implicações na saúde pública. Uma vez que a leptospirose é uma zoonose, doença passível de ser transmitida a humanos, a vacinação é um método útil de prevenção da infecção de outros cães e de pessoas. A vacinação interrompe o ciclo de transmissão do agente infeccioso a animais e pessoas, diminuindo a disseminação ambiental.

1856
Add
leptospirose

Leptospirose – sinais, diagnóstico, implicações

O que é a Leptospirose?

A Leptospirose é uma doença infeciosa causada por uma bactéria pertencente ao género Leptospira. Estas bactérias estão disseminadas por todo o mundo e existem diferentes tipos. Este género de bactéria inclui cerca de 25 serogrupos diferentes e, cada serogrupo, inclui vários serovares distintos. Existem mais de 250 serovares diferentes de Leptospira. De uma forma muito simplista, afirmamos que existem várias espécies de leptospira e cada uma tem diferentes subespécies.

Consoante a zona geográfica assim teremos diferentes serovares presentes. Isto é, uns serovares são mais frequentes numas zonas e outros em outras áreas geográficas. Também se sabe que alguns serovares são mais agressivos que outros.

São bactérias que conseguem sobreviver por um período considerável de tempo no meio ambiente, em condições de humidade elevada e temperatura moderada. Por este motivo, períodos de chuvas e/ou cheias, em alturas do ano amenas e húmidas, teremos mais casos clínicos registados.

A Leptospira pode infectar e causar doença na maioria dos mamíferos. Os cães e gatos podem ser afetados, embora no caso dos gatos isto seja muito raro.

 

A Leptospirose é uma doença grave?

A Leptospirose é uma doença grave, que se pode manifestar de várias formas. No caso dos cães podemos ter animais assintomáticos ou com sintomatologia ligeira e inespecífica, até casos muito graves que conduzem à morte.

Consoante o serovar responsável, o quadro clínico pode ser mais ou menos grave. A mortalidade pode ir de menos de 1% até a uns assustadores, 50%.

Não existe uma predisposição de raça, idade ou sexo nesta patologia. O contacto com águas contaminadas (quer nadando, quer bebendo) ou com ambientes contaminados é um foco de infeção. Por exemplo:

  • explorações pecuárias, onde existem normalmente roedores
  • plantas contaminadas, ou objectos ou lixo (parques urbanos também possuem muitos roedores e são zonas de risco)

Nesta doença, existem ainda animais que se tornam portadores assintomáticos e que se transformam em reservatórios destas bactérias, eliminando-as para o meio ambiente através da urina e outras secreções corporais. É o caso de muitos roedores (ratos e ratazanas), mas também outros animais silvestres e animais que tenham recuperado da doença (durante um período, mesmo clinicamente recuperados, podem eliminar para o ambiente leptospira).

Importante referir que ao afetar quase todos os mamíferos, a espécie humana pode igualmente ser infectada. Trata-se de uma zoonose, pois animais doentes podem conduzir à infeção do Homem. Os humanos podem contrair leptospirose tal como os cães, contactando com urina e outras secreções corporais de animais infetados. O contato com objetos contaminados com este tipo de fluidos também pode ser um foco de infeção.

 

Que sinais apresenta um cão com Leptospirose?

Um cão infectado com esta doença pode apresentar sintomatologia muito variada. A sintomatologia também depende do tipo de serovar de Leptospira:

– alguns animais são assintomáticos

– outros cães apresentam sintomatologia ligeira não específica

– Outros vão apresentado vários sintomas diretamente relacionados com os órgãos que vão sendo afetados pela Leptospira (sintomas multi-sistémicos)

  • Anorexia (falta de apetite)
  • Febre
  • Fraqueza muscular e dores musculares
  • Prostração
  • Vómitos
  • Diarreia
  • Desidratação
  • Icterícia (pele e mucosas com coloração amarela)
  • alterações da coagulação (raras nos cães)
  • alteração na produção de urina (pode aumentar ou diminuir drasticamente)
  • Aumento na ingestão de água
  • Insuficiência Hepática
  • Insuficiência Renal
  • Dificuldade respiratória (Hemorragias pulmonares)

 

 

Como se diagnostica esta doença?

O diagnóstico faz-se através de análises laboratoriais sorológicas e análises que detetem o agente infecioso ou o DNA deste. Estas análises são feitas em amostras de sangue, urina ou tecidos recolhidos.

É muito importante o recolher de uma história clínica (saber quais os ambientes que o animal frequenta e desde quando apresenta sintomas), o completo exame físico bem como o estado vacinal do cão examinado.

Importantes são, igualmente, a realização de exames auxiliares de diagnóstico como análise completa sanguínea (hemograma e perfil bioquímico para avaliar a função de múltiplos órgãos), ecografia abdominal e Rx Tórax. Estes últimos são fundamentais para se proceder em seguida ao tratamento mais adequado a cada caso clínico.

 

 

Se o meu cão estiver infectado, o que é que isso implica? 

 Qualquer cão infectado deve ser sujeito a tratamento e a uma vigilância cuidada, já que esta é uma doença que pode afetar outros animais e o Homem.

A Leptospirose é uma doença bacteriana, pelo que o tratamento passa pela administração de antibióticos. No entanto o tratamento e correção de todas as alterações que surgem devido a esta infeção são incontornáveis.

Em casos onde o animal apresenta insuficiência renal e/ou hepática normalmente são necessárias hospitalização e medidas de suporte mais ou menos complexas. Infelizmente nem todos os animais recuperam.  A morte é um desfecho em alguns casos, onde as lesões causadas não são reversíveis nem controláveis.

Não esquecer que durante o tratamento de cães com leptospirose, o cuidado e proteção do pessoal técnico (médico veterinário e enfermeiros) e dos tutores destes pacientes é fundamental para evitar infeção. Uso de luvas, desinfeção de mãos e evitar o contacto de pele e mucosas com urina destes pacientes é fundamental. A desinfeção das instalações dos cães em tratamento é necessária e é eficaz na eliminação das bactérias excretadas.

A Leptospirose é uma doença grave e com potencial zoonótico, mas existem disponíveis vacinas que conferem proteção contra alguns serogrupos. É importante entender que é preferível prevenir do que ter que tratar.

 

 

8765
Add
Hipertiroidismo felino

Hipertiroidismo Felino – Diagnóstico e Tratamento

Diagnóstico

 

A avaliação dos sintomas descritos e um exame físico completo, são os primeiros passos para a avaliação do estado de saúde do seu gato. Muitas vezes, durante o exame físico é possível palpar uma glândula tiroide aumentada típica de hipertiroidismo.

 

O diagnóstico de hipertiroidismo é feito através de análises laboratoriais que avaliam a concentração da hormona tiroideia na corrente sanguínea. Devido ao excesso de produção de hormona tiroideia, em mais de 90% das situações é possível alcançar um diagnóstico preciso.

 

A maioria dos gatos com hipertiroidismo apresenta níveis elevados da hormona tiroideia na corrente sanguínea. Contudo, uma pequena percentagem de gatos com hipertiroidismo pode apresentar valores normais.

 

Em caso de suspeita forte de hipertiroidismo, e na ausência de valores aumentados da hormona tiroideia, o seu Médico Veterinário poderá recomendar testes adicionais.

 

Devido ao papel da glândula tiróide no organismo, alguns gatos com hipertiroidismo poderão desenvolver doença cardíaca e hipertensão. Desta forma, o seu Médico Veterinário poderá aconselhar que seja feita alguma investigação para despiste destas condições. Eventualmente poderão ser necessárias terapêuticas adicionais para controlar doenças secundárias.

 

Tratamento

 

O hipertiroidismo é uma condição tratável e, dependendo do tratamento realizado, pode ser curável.

 

As opções de tratamento para o hipertiroidismo incluem o recurso a medicação, terapia com iodo radioactivo, cirurgia ou recurso a uma dieta terapêutica. A escolha do tipo de tratamento não é simples. Todas as opções de tratamento têm as suas vantagens e desvantagens. A escolha requer a consideração de algumas particularidades como a saúde geral do paciente, as características dos procedimentos terapêuticos, a capacidade e disponibilidade do tutor administrar regularmente medicação e exige também algumas considerações financeiras.

 

Medicação

 

A administração de medicação anti-tiroideia é possivelmente uma das terapêuticas mais comuns no maneio do hipertiroidismo. A medicação actua através da redução da produção e libertação de hormona tiroideia a partir da glândula tiróide.

 

A administração da medicação anti-tiroidiea não promove a cura do hipertiroidismo. No entanto permite um bom controlo da doença e dos sinais clínicos a curto e a longo-prazo. Geralmente são obtidas boas taxas de resposta à medicação, com a facilidade de se poder medicar os pacientes sem necessidade de hospitalização.

 

O recurso à medicação anti-tiroideia advém sobretudo da facilidade em obter a medicação e do seu, geralmente, custo acessível. Contudo, o tratamento com medicação implica a sua administração diária, durante toda a vida do paciente.

 

Existem diferentes formulações, desde comprimidos a soluções orais. Dada a natureza dos felinos e das muitas dificuldades dos tutores em administrar comprimidos, as soluções orais poderão ser mais convenientes e permitir melhor compliance terapêutica.

 

Independentemente do tipo medicação utilizada, é necessário manter um controlo rigoroso dos níveis da hormona tiroideia durante o tratamento. Este controlo exige assim visitas regulares ao Médico Veterinário.

 

Terapia com iodo radioactivo

 

Quando se encontra disponível, a terapia com iodo radioactivo é o tratamento de eleição para gatos com hipertiroidismo. A administração de iodo radioactivo, destrói as células anormais da glândula tiróide, sem danificar os tecidos envolventes. Na maioria das vezes, trata-se de uma única administração e a maioria dos gatos tratados com iodo radioactivo atinge valores normais de hormona tiroideia após uma ou duas semanas do tratamento.

 

Esta modalidade de tratamento permite curar o hipertiroidismo felino, e geralmente não acarreta efeitos secundários graves nem necessita de anestesia. Envolve, contudo, o manuseamento e administração de um composto radioactivo e por isso apenas é permitida em instalações licenciadas para o efeito.

 

Infelizmente, até ao momento esta terapêutica não se encontra disponível em Portugal.

 

Animais tratados com iodo radioactivo têm de permanecer hospitalizados até que os níveis de radiação atinjam valores seguros. Geralmente, implica que o gato seja hospitalizado entre três a cinco dias, contudo o período poderá ser maior.

 

Cirurgia

 

A remoção cirúrgica das glândulas tiróides, denominada tiroidectomia, é uma cirurgia relativamente acessível e com boas taxas de sucesso. A cirurgia permite uma cura, na maioria dos casos, permanente, evitando assim a necessidade de medicação a longo prazo.

 

Dado tratar-se de um procedimento cirúrgico, requer hospitalização e uma anestesia geral. Por este motivo pode não ser favorável em pacientes idosos, com doenças cardíacas, renais, ou outras que possam apresentar um risco anestésico.

 

Nestes casos, a ou terapia com iodo radioactivo são tão eficazes no tratamento do hipertiroidismo como a cirurgia. Estas alternativas têm a vantagem de serem terapêuticas menos invasivas.

 

Dieta terapêutica

 

Existe também uma dieta especificamente formulada para gatos com hipertiroidismo, baseada numa restrição de iodo. A dieta poderá ser útil em gatos exclusivamente de interior e únicos na habitação. Este tipo de dieta estabiliza os níveis da hormona tiroideia antes de uma intervenção cirúrgica. Por outro lado, podem se útil quando os gatos apresentam outras condições que tornam outras terapêuticas impossíveis.

 

No entanto, a restrição em iodo como terapêutica a longo prazo é algo controversa pelos possíveis efeitos da restrição dietética em iodo na saúde geral.

2879
Add
Hipertiroidismo felino é a doença metabólica mais comum em gatos

Hipertiroidismo Felino: Causas e Sinais

O que é o Hipertiroidismo Felino?

O Hipertiroidismo é a doença endócrina mais frequente nos gatos e, como o nome indica, afeta a glândula Tiroide.

A Tiroide é composta por duas pequenas glândulas localizadas (uma de cada lado) na zona mais craneal da traqueia. A tiroide é responsável pela produção das hormonas tiroideas, que interferem em muitas das funções do organismo. O controlo do metabolismo, constitui uma das mais importantes.

De uma forma muito simplista, a tiroide é de extrema importância para o correto funcionamento da maioria dos órgãos do corpo. Nos animais com hipertiroidismo existe um excesso de hormonas tiroideas em circulação.

 

Quais são as causas principais do Hipertiroidismo felino?

Esta patologia surge normalmente devido a um aumento do volume da Tiroide (habitualmente o aumento é bilateral e afeta ambas as glândulas). Este aumento deve-se quase sempre a um tumor benigno (Adenoma), sendo muito raros (menos de 2%) os casos em que existe um tumor maligno (Carcinoma).

Atualmente não se conhece a causa exata do aparecimento deste tipo de tumores benignos. Contudo, pensa-se que alguns fatores possam contribuir, como são o caso de:

  • exposição continuada a substâncias tóxicas para a tiroide, quer ambientais (ex.: poluição; constituintes de algumas areias para gatos; tóxicos vários), quer alimentares (excesso ou deficiência de compostos presentes em alimentação comercial enlatada, bem como substâncias tóxicas)
  • alterações genéticas
  • fatores imunológicos
  • idade mais avançada

 

Porque ouvimos falar mais de hipertiroidismo hoje em dia?

Apesar de não haver uma causa concreta de hipertiroidismo, sabemos que há fatores que são decisivos para o seu aparecimento. Quanto mais tempo os animais forem expostos a esses riscos, maior a probabilidade de virem a desenvolver esta patologia. O aumento esperança de vida dos felinos é a principal razão pela qual o hipertiroidismo é mais diagnosticado nos dias de hoje. Ou seja, ao viverem durante mais anos, sofrem maior exposição a condições de risco. Vivem mais anos, havendo possibilidade de haver alterações significativas ao nível da tiroide, surgindo doença clínica.

O hipertiroidismo pode surgir tanto em machos como em fêmeas, não havendo preferência de raça. Contudo, afeta principalmente gatos de meia idade ou idosos. A idade média do aparecimento dos primeiros sintomas é 12-13 anos, sendo invulgar em gatos com menos de 10 anos.

Com o evoluir da medicina Veterinária e a crescente preocupação dos tutores com a saúde e bem-estar dos seus gatos, o diagnóstico de hipertiroidismo é mais frequente  (bem como o de outras doenças).

 

Quais os sinais que apresenta um gato com hipertiroidismo?

Como em qualquer patologia, é fundamental compreender as alterações que ocorrem num animal. Ao entender-se o que não funciona corretamente é mais fácil compreender os sintomas que surgem. Uma vez que o hipertiroidismo ocorre principalmente em gatos geriátricos, pode haver também, simultaneamente outras patologias presentes. Isto pode complicar o diagnóstico desta doença hormonal.

As hormonas tiroideias são fundamentais para o funcionamento de quase todos órgãos, e essenciais no controlo do metabolismo basal corporal. Por este motivo, ao existir um aumento destas hormonas em circulação, haverá um aumento do metabolismo basal, com aumento de consumo rápido de energia. Inicialmente os sintomas são subtis e ligeiros (comuns a muitas patologias felinas), agravando-se à medida que a doença evolui.

 

Inicialmente observam-se os seguintes sintomas:
  • perda de peso (muito ligado com o aumento do metabolismo basal) com perda de massa muscular
  • aumento do apetite
  • hiperatividade
  • aumento da ingestão de água, e por sua vez da produção de urina (fazem mais xixi)
  • pelagem sem brilho e com mau aspeto
  • aumento da tiroide (glândulas palpáveis e aumentadas)
  • alterações à auscultação cardíaca (aumento da frequência cardíaca, sopros cardíacos, arritmias- Ritmo de galope audível à auscultação)

 

Com a evolução da doença, surgem também:
  • vómitos
  • diarreia
  • doença respiratória (dificuldade respiratória, frequência respiratória aumentada, espirros e tosse)
  • alterações de comportamento (agressividade; incapacidade em descansar)
  • convulsões
  • doenças concomitantes podem surgir, uma vez que o hipertiroidismo pode predispor os gatos a outras patologias, como:

Doenças cardíacas (Hipertensão, Insuficiência cardíaca crónica, Cardiomiopatia tireotóxica)

Doença Renal

Diabetes (em gatos com hipertiroidismo, é mais difícil controlar convenientemente a diabetes)

Má absorção gastrointestinal (hipertiroidismo, pode levar a aumento da motilidade intestinal, dificultando a absorção correta dos nutrientes, assim como ao aparecimento de vómitos e diarreia)

 

Os sintomas são vários e inespecíficos, pelo que o correto diagnóstico, bem como o diferenciar de outras patologias, são fundamentais. O médico veterinário assistente deve ser sempre consultado quando se observam alterações no gato.

O hipertiroidismo é uma doença grave. Se não tratada, é normalmente fatal devido às alterações graves que causa em múltiplos órgãos vitais.

 

5399
Add

Leucemia felina – cuidados com o gato FeLV-positivo e como prevenir a doença

Infelizmente, ainda não existem tratamentos capazes de curar a Leucemia Felina (FeLV). Por isso, ter um gato com Leucemia Felina pode ser um desafio. Contudo, tomando os devidos cuidados em casa e com o devido aconselhamento e acompanhamento médico-veterinário, é possível garantir uma boa qualidade de vida a gatos FeLV-positivo.

 

Desta forma, a confirmação que um gato é FeLV-positivo, por si só, não deve ser motivo para considerar a eutanásia.

 

Considerações ambientais

 

Uma consideração importante no maneio de gatos com Leucemia Felina é a gestão do espaço e interacção com outros gatos. Uma vez confirmado que um gato tem Leucemia, o acesso deste ao exterior deve ser totalmente restringido e, se possível, que seja o único gato em casa.

A restrição do acesso ao exterior previne que outros gatos possam ser infectados. Esta medida reduz os comportamentos de risco que aumentam a exposição ao vírus. Além disso, também reduz potenciais infecções secundárias para o gato FeLV-positivo.

 

Quando há mais do que um gato em casa, todos os gatos devem ser testados para Leucemia.

Dentro de casa, a separação entre gatos FeLV-positivo e gatos FeLV-negativo deve ser considerada. Tendo em conta as propriedades do agente infeccioso e as suas formas de contágio, esta medida reduz a possibilidade de infecção e de gatos não infectados e é uma das formas de prevenção.

A introdução de novos gatos está desaconselhada, uma vez que isso pode provocar alterações na estrutura social. Estas alterações podem desencadear comportamentos de risco, como lutas e mordeduras.

 

Gatos inteiros FeLV-positivo, devem ser castrados. A castração evita comportamentos de risco de exposição e transmissão do vírus como fugas, lutas e estilos de vida errantes.

 

Nas habitações com mais de um gato, as zonas de alimentação devem estar separadas, com comedouros e bebedouros individuais, para animais infectados e não infectados. A passagem ou troca de objectos entre as mesmas deve ser evitada.

 

O vírus não sobrevive por muito tempo no meio ambiente sendo facilmente inactivado por detergentes e desinfectantes. Assim, a higiene das caixas de areia e de outros objectos com que os gatos contactam, pode ajudar a diminuir a carga viral.

 

Infelizmente, nem sempre é possível isolar gatos FeLV-positivo de gatos FeLV-negativo. Nestes casos, é recomendada a vacinação dos gatos não infectados.

 

Considerações na saúde de gatos FeLV-positivo

 

Como resultado de um sistema imunitário comprometido, os gatos FeLV-positivo podem ser particularmente vulneráveis a outras doenças.

Desta forma, é importante que os tutores saibam reconhecer alguns dos sinais mais comuns indicativos de doença em desenvolvimento:

 

  • Alterações no consumo de água e alimento
  • Eliminação (micção e defecação) inadequada
  • Alterações nos níveis de actividade
  • Alterações nos hábitos de dormir
  • Perda de peso
  • Alterações na vocalização
  • Stress

 

Gatos FeLV-positivo que não demonstrem sinais clínicos de doença devem manter um contacto próximo com o Médico Veterinário e fazer exames físicos completos e regulares. A avaliação de parâmetros sanguíneos e bioquímicos deve ser realizada, no mínimo, uma vez por ano.

 

Os tutores devem também ter particular atenção com a alimentação dos seus gatos. A alimentação de gatos com Leucemia Felina deve ser equilibrada, com proteína de boa qualidade, poucos hidratos de carbono e moderada em gorduras e no teor de humidade. As dietas cruas são desaconselhadas em gatos FeLV-positivo, pelo risco de exposição dos gatos a doenças bacterianas e parasitárias associadas a este tipo de dieta.

 

Apesar de se aconselhar a restrição total do acesso à rua, a vacinação de gatos FeLV-positivo contra outras doenças deve ser mantida. Da mesma forma, o controlo antiparasitário deve ser realizado com a devida frequência.

 

Nos gatos FeLV-positivo que demonstrem sinais de doença, a intervenção terapêutica precoce é a chave para o sucesso terapêutico. A maioria dos gatos FeLV-positivo consegue responder eficazmente aos tratamentos. Contudo, estes gatos poderão necessitar de planos de tratamentos mais longos e agressivos, sob monitorização rigorosa, até à sua recuperação.

 

Prevenção da infecção e vacinação

 

Existem diversas vacinas disponíveis para protecção contra FeLV, no entanto nenhuma garante protecção a 100%. Apesar de não impedir uma possível infecção, a vacinação de gatos saudáveis aumenta a probabilidade de neutralizar a infecção. Sempre que possível, devem ser administradas vacinas sem adjuvantes, de forma a minimizar a inflamação local resultante da inoculação.

Não existe qualquer benefício em vacinar gatos contra Leucemia Felina quando estes já são FeLV-positivo. É, por isso, importante testar os gatos de forma a identificar e isolar os que apresentam virémia.

 

Devem ser testados:

 

  • Todos os gatos, antes de serem introduzidos num ambiente doméstico;
  • Gatos de interior com acesso ao exterior ou que partilhem casa com gatos com acesso ao exterior;
  • Gatos que partilhem ambientes com gatos FeLV-positivo, sobretudo se manifestarem sinais de doença;
  • Gatos de interior que possam ter sido expostos a outros gatos com estado incerto de FeLV

 

A decisão de vacinar os gatos para Leucemia deve ser baseada numa análise de risco de infecção e do estilo de vida de cada gato.

 

Quando a vacinação é considerada apropriada, são necessárias duas administrações da vacina. A primeira dose é administrada a partir das 8 semanas de idade e a segunda cerca de 3-4 semanas depois. As novas indicações de vacinação consideram que um reforço pode ser realizado entre os 6 e os 12 meses após a última vacinação, e posteriormente a vacina poderá ser repetida na eventualidade de se manter o risco de exposição a FeLV.

 

Por norma, considera-se importante a vacinação de gatos que tenham acesso ao exterior ou que partilhem habitação com gatos com acesso ao exterior, gatos que habitem com mais do que um gato (sem testes prévios de FeLV) e de gatos que vivam com gatos FeLV-positivo.

 

10442
Add
Leucemia Felina (FeLV)

Leucemia felina (FeLV) – o que é e como se transmite

A Leucemia Felina (FeLV) é, de entre todas as doenças infeciosas que podem afectar os gatos, a mais comum em todo o mundo.

Leucemia é um termo conhecido de quase todos como sendo uma doença oncológica do ser humano. Por isso, é importante esclarecer que quando falamos de Leucemia felina estamos a falar de uma doença causada por um vírus que afecta felinos, e não de uma doença oncológica /tumoral.

 

O que é o FeLV?

 

O vírus da Leucemia Felina é um Retrovírus, que SÓ infeta felinos.

A principal forma de contágio é através do contato prolongado com secreções de gatos infetados, tais como:

  • saliva
  • sangue
  • secreções nasais
  • urina
  • fezes
  • leite materno

As formas mais habituais de contágio ocorrem através de mordedura, lavagem mútua entre gatos e partilha continuada e simultânea de comedouros.

Como este vírus não sobrevive com facilidade no ambiente, a transmissão através de fezes, urina, aerossóis ou o contato com objectos que tenham sido contaminados com secreções de gatos infetados não é tão eficaz.

A transmissão de mãe para filhos pode ocorrer quer através da placenta, quer através da amamentação. O contágio também pode ocorrer por transmissão sexual, embora seja menos comum.

 

Grupos de Risco

 

Portanto, os animais em maior risco de serem infetados são aqueles expostos a gatos infetados quer por contato direto e prolongado, quer através de dentadas durante lutas.

Gatinhos e animais jovens são mais sensíveis ao vírus, por isso, a doença é mais usual em gatos entre 1-6 anos. Gatos machos que tenham acesso ao exterior de forma não supervisionada também correm maior risco.

Gatinhos infetados dentro do útero, que sobrevivam ao parto, normalmente demonstram um desenvolvimento muito rápido da doença.

 

Como surgem os primeiros sinais de Leucemia Felina (FeLV)?

 

De forma simplificada, ao infetar um gato, o vírus do FeLV inicia a sua multiplicação na zona da boca e faringe e dissemina-se por todo o corpo do animal até atingir a medula óssea.

Os glóbulos brancos e plaquetas, produzidos e libertados na corrente sanguínea, “transportam” o vírus por todo o corpo até este chegar às diferentes glândulas corporais. As glândulas salivares são exemplo disso e este processo dura, no mínimo, cerca de um mês.

Os efeitos adversos no corpo do gato podem ser vários. Normalmente surgem estados de deficiência imunitária grave (perda das defesas naturais contra infeções), doenças oncológicas (p.ex. linfoma) e alterações sanguíneas.

Ao ficarem com o sistema imunitário debilitado, os gatos infetados não reagem eficazmente a outras infeções. Por este motivo, bactérias, fungos e outros vírus podem causar doenças severas por infeção secundária.

Em estados iniciais, os gatos infetados não demonstram qualquer tipo de sintoma. Porém, à medida que o tempo vai passando, a saúde deteriora-se e surgem sintomas devido a infeções secundárias ou desenvolvimento de problemas tumorais.

 

Sinais clínicos

 

Os sinais são normalmente inespecíficos, sendo os mais usuais:

  • anorexia (perda de apetite)
  • perda de peso
  • depressão
  • aumento dos gânglios linfáticos
  • pelagem com mau aspeto
  • anemia
  • sintomatologia digestiva (vómitos, diarreia persistente, que usualmente estão mais relacionadas com linfoma digestivo)
  • feridas na boca
  • feridas nos olhos
  • sintomas respiratórios (rinite, dificuldade respiratória e derrame pleural, maioritariamente relacionado com linfoma do mediastino)
  • icterícia – coloração amarelada na pele, esclera e mucosas (relacionada com destruição de glóbulos vermelhos ou patologia hepática)
  • sintomas neurológicos (perda de equilíbrio, incoordenação motora, convulsões)
  • Insuficiência renal (associado a linfoma renal ou glomerulonefrite)
  • nas fêmeas podem verificar-se abortos ou nascimento de gatinhos já mortos e problemas de fertilidade
  • febre persistente

Os gatos com FeLV podem apresentar apenas alguns destes sintomas ou até nenhum. A presença ou não de sintomas, deve-se ao facto de os gatos poderem reagir de diferentes formas.

 

Formas da doença

 

  • em casos raros o sistema imunitário do gato consegue eliminar o vírus (não havendo progressão da doença);
  • uma pequena percentagem de gatos consegue eliminar o vírus da sua corrente sanguínea, mas não do seu corpo. São animais que enquanto se mantenham neste estado normalmente não mostram sinais de doença. Contudo, pode ocorrer “ativação” do vírus novamente, passando a apresentar sintomatologia e a poder infetar outros gatos;
  • A maioria mostra quadros progressivos da doença e pode infetar outros gatos, pois apresentam o vírus em circulação sanguínea permanentemente (animais virémicos). Nestes casos, surgem sintomas e a doença vai evoluindo continuamente.

 

Diagnóstico

 

O diagnóstico de FeLV faz-se através de testes sanguíneos que detetam a presença de uma proteína do vírus. Podem ser realizados na clínica, através de um teste rápido, ou em laboratório.

Consoante a sintomatologia do paciente, devem realizar-se exames auxiliares de diagnóstico para diagnóstico de infeções secundárias ou processos oncológicos:

  • Análises bioquímicas e hemograma
  • Radiografia
  • Ecografia
  • Citologia ou biópsia de: massas, gânglios aumentados ou medula óssea

 

Tratamento e Prognóstico

 

Infelizmente, não existe ainda nenhum tratamento eficaz capaz de eliminar completamente o vírus da Leucemia Felina.

O recurso a medicamentos antivirais e a terapêuticas que estimulam o sistema imunitário tem sido descrito e usado. No entanto, existem efeitos secundários e as melhorias clínicas não são muito significativas.

Assim, muitos Gatos FeLV-positivo vivem sem grandes complicações durante alguns anos. Sobretudo, deve ter-se especial atenção com os cuidados profiláticos e o bom maneio alimentar e ambiental (mantendo níveis de stress reduzidos). O mais importante é evitar infeções secundárias, mantendo os animais infetados em casa, sem contato com o exterior ou com outros gatos (evitando que apanhem infeções secundárias e impedindo a disseminação do FeLV a outros gatos).

A Leucemia Felina é, sobretudo, uma doença progressiva e mortal. Como resultado, a esperança de vida varia entre 2 a 3 anos, após o diagnóstico. A progressão desta patologia é muito mais rápida em gatinhos.

Acima de tudo, pela gravidade e agressividade desta patologia, é recomendado que se procedam a medidas preventivas como a vacinação. Fale com um Médico Veterinário para saber como pode proteger o seu gato desta doença fatal.

 

24622
Add

Parasita do coração – diagnóstico, tratamento e prevenção

O diagnóstico de doença do parasita do coração é simples

 

O diagnóstico de dirofilariose pode ser realizado com base na história clínica e evolução dos sintomas, juntamente com alguns exames laboratoriais.

 

Na maioria dos casos, um simples teste sanguíneo é suficiente para fazer o diagnóstico de doença do parasita do coração.

 

Atualmente é comum recorrer a testes serológicos para detetar a presença de parasitas adultos. Apesar de ser um teste muito fiável e que deve ser sempre realizado,  a sua validade depende da presença de parasitas fêmeas e de uma certa carga parasitária.

 

O parasita habita nos tecidos e órgãos do animal sob ambas as formas, imatura e adulta. Por isso, com uma amostra de sangue também é possível diagnosticar a doença, observando-se as formas imaturas ao microscópio.

 

Outras análises sanguíneas, como a hematologia e parâmetros bioquímicos, serão sempre úteis e necessárias para avaliar o estado de saúde dos animais afetados e se é seguro iniciar um tratamento.

 

Além disso, realizar radiografias torácicas e ecocardiografia são importantes para avaliar lesões pulmões, nos vasos e no coração – locais onde as formas adultas do parasita se alojam.

 

O tratamento não é livre de riscos

 

O tratamento do parasita do coração tem por objetivo melhorar a condição clínica e eliminar os parasitas adultos e formas imaturas, contudo não é livre de riscos.

 

Os parasitas podem ser eliminados através da administração de fármacos. Contudo, é necessário garantir o repouso absoluto do cão durante algumas semanas – pois existe o risco de causar embolias.

 

Ao morrerem, os parasitas vão sendo decompostos e encaminhados até aos pulmões, onde se alojam em pequenos vasos e são, eventualmente, eliminados pelo organismo.

 

É durante o período de eliminação dos parasitas adultos, que fragmentos dos mesmos podem causar embolias – sobretudo se a carga parasitária for elevada e houver lesões pulmonares concomitantes.

 

Assim, o tratamento exige o acompanhamento e monitorização contínua dos animais pelo Médico Veterinário.

 

A melhor aposta é a prevenção

 

A doença do parasita do coração, é uma doença com distribuição global e existem áreas de risco onde a doença é altamente prevalente – sobretudo em regiões de litoral, com clima quente e temperado ou tropical.

 

Em Portugal, as regiões da Madeira, Ribatejo, Alentejo e Algarve são consideradas endémicas, e por isso de alto risco de infeção.

 

A melhor forma de evitar o risco de infeção é através da prevenção. A prevenção deve ser feita durante todo o ano e não apenas durante os meses de maior atividade dos mosquitos.

 

Existem diversos métodos de prevenção contra a o parasita do coração, desde produtos veterinários em comprimidos, spot-on ou mesmo injeções de libertação lenta que atuam até 6 meses.

 

Antes de iniciar um protocolo preventivo de sempre aconselhar-se com o Médico Veterinário, uma vez que o despiste prévio da doença é essencial.

 

Um bom plano preventivo passa também pela utilização de repelentes de mosquitos no ambiente e por abrigar os animais de exterior nos períodos de atividade dos mosquitos – ao amanhecer e ao entardecer.

 

Consulte o seu Médico Veterinário, ele poderá indicar quais as medidas mais adequadas ao seu cão, tendo presente o local onde vive, a prevalência da doença e o estilo de vida do seu animal.

 

 

 

 

 

 

 

3736
Add

Dirofilariose – a doença do “parasita do coração”

A dirofilariose é uma doença mundialmente comum e presente no nosso país, causada pelo parasita Dirofilaria. Existem diferentes espécies deste verme redondo, no entanto, as mais comuns são a Dirofilaria immitis e a Dirofilaria repens.

A forma mais usual e grave é causada por D. immitis. Por muitos denominada doença do “parasita do coração”, a dirofilariose é transmitida através da picada de mosquitos infetados com larvas de Dirofilaria.

Esta doença afeta essencialmente cães e felinos (domésticos e silvestres). No entanto, os humanos também podem ser infetados com o parasita, apesar de nestes casos o parasita não conseguir atingir a sua forma adulta.

Os cães são suscetíveis à infeção independentemente da idade. Já os gatos são os hospedeiros mais resistentes à doença e apresentam sintomatologia menos específica, sendo que muitos permanecem assintomáticos durante longos períodos. Por este motivo, o diagnóstico nos gatos é mais difícil.

 

Como se transmite a Dirofilariose?

 

Esta doença não se transmite diretamente de um animal para outro, pelo que é necessário um hospedeiro intermediário, que neste caso é o mosquito. No nosso país existem várias espécies diferentes de mosquitos capazes de transmitir a doença.

Quando um mosquito infetado com larvas de Dirofilaria pica um cão, as larvas são injetadas na corrente sanguínea. Consequentemente, passados cerca de 70 dias, as larvas atingem as artérias pulmonares do cão, onde se continuam a desenvolver. Ao fim de 120 dias, o parasita atinge a sua forma adulta ficando alojado nas artérias pulmonares e no coração. A reprodução parasitária inicia-se e novas larvas são libertadas para a corrente sanguínea. Estas larvas são depois ingeridas por mosquitos que se alimentem do sangue de animais infetados. Completa-se assim o ciclo de vida deste parasita.

 

Quais são os sintomas da Dirofilariose?

 

A Dirofilariose é uma doença grave e potencialmente fatal, especialmente nos cães.

Os sintomas surgem como consequência das lesões que estes parasitas causam no interior dos órgãos onde se alojam, bem como da obstrução que causam ao fluxo sanguíneo.

É uma doença crónica de progressão lenta. Numa fase inicial, os animais são assintomáticos. Os sintomas surgem numa fase já crónica da infeção, sendo os mais usuais:

  • cansaço
  • intolerância ao exercício
  • dificuldade respiratória
  • tosse persistente
  • síncope (desmaio)
  • perda de peso
  • falta de apetite
  • insuficiência cardíaca congestiva grave com aparecimento de edemas generalizados (abdómen distende-se muito – ascite)

Em casos severos da doença, principalmente nos casos de insuficiência cardíaca congestiva grave, surgem complicações muito severas, como tromboembolismos e síndrome da veia cava. Nestes casos a morte do animal é quase sempre inevitável. Uma vez instalados sintomas severos, o prognóstico é reservado, sendo a resposta ao tratamento muito limitada.

 

Quais as zonas geográficas de Portugal onde a doença é mais comum?

 

A Dirofilariose existe em quase todo o mundo, afetando principalmente zonas quentes ou temperadas e húmidas.

No nosso país, embora se registem casos em quase todo o território (à exceção dos Açores) a distribuição da doença é descontínua e endémica em determinadas zonas como:

  • zonas costeiras
  • regadio (baía do Sado, Vale to Tejo e Sorraia, zona do Mondego/Coimbra)
  • Ilha da Madeira.

Porém com as alterações climáticas e aumento da temperatura global, verifica-se uma tendência para a dispersão deste parasita. Por este motivo, veremos cada vez   mais casos fora destas zonas identificadas.

Todos os tutores, que vivam ou que viagem/passem férias com os seus animais em zonas de risco, deverão aconselhar-se com o veterinário assistente e realizar prevenção de Dirofilariose.

Tal como em outras doenças, a prevenção é importante e salva vidas!

 

 

 

 

 

 

6092
Add

Parasita do Pulmão – como se diagnostica e como se tratam os cães?

Sinais clínicos

 

A Angiostrongilose canina pode manifestar-se de forma muito variável e, numa fase inicial de infecção, a Angiostrongilose pode até ser assintomática – ou seja, sem qualquer demonstração de alterações clínicas.

 

A sintomatologia pode ser ligeira e apresentar-se e de uma forma intermitente, em que os animais infetados nem sempre demonstram alterações clínicas ou apresentar-se de forma grave e com alterações potencialmente fatais em casos de infecção crónica.

 

Os sinais clínicos mais comuns dependem em certa parte da carga parasitária dos cães infectados, e estão associados ao ciclo de vida e desenvolvimento do parasita no interior dos hospedeiros definitivos, neste caso – o cão.

 

Assim, os sinais clínicos mais comuns em infecções pelo Parasita do Pulmão dizem respeito a alterações cardio-respiratórias, hematológicas (no sangue) e neurológicas (que afetam o sistema nervoso).

 

Sinais cardiorrespiratórios

 

  • tosse
  • dificuldade respiratória (dispneia)
  • respiração acelerada e superficial (taquipneia)
  • intolerância ao exercício
  • síncope (colapso)

 

Sinais neurológicos

 

  • depressão
  • paralisia de membros
  • dificuldades de locomoção
  • alterações oculares
  • cegueira
  • convulsões

 

Sinais hematológicos

(alterações sanguíneas), estão relacionados com a interferência nos processos de coagulação. Assim, pode(m) observar-se:

  • pequenos focos de hemorragia na pele (petéquias)
  • focos de maiores dimensões (equimoses) na pele e mucosas
  • hemorragias extensas
  • anemia

 

Outros factores que podem influenciar os sinais clínicos são a idade, a presença de doenças concomitantes e o estado imunitário dos animais. Geralmente, pela sua natural curiosidade e comportamento, os animais mais jovens (com menos de um ano de idade) são os mais afectados. Contudo, podem observar-se casos de infecção pelo Parasita do Pulmão em cães de todas as idades.

 

O facto de os animais também poderem apresentar outras doenças concomitantes (doenças cardíacas ou respiratórias, endócrinas, etc) pode agravar a manifestação dos sinais clínicos de Angiostrongilose.

 

Diagnóstico

 

Uma vez que um cão infectado com o Parasita do Pulmão pode apresentar uma série de sinais pouco específicos, os mesmos têm de ser considerados em conjunto. Desta forma, é comum recorrer a uma série de testes desde análises sanguíneas a exames radiográficos e de imagem avançada.

 

Contudo, existem métodos capazes de indicar um diagnóstico definitivo de Angiostrongilose.

 

Coprologia

Cultura e testes às fezes dos animais e, mais concretamente, através de um método chamado teste de Baermann. A presença de parasitas detetados por este método confirma o diagnóstico, mas a ausência de larvas não exclui que possa existir a doença.

 

Serologia

É também possível alcançar um diagnóstico definitivo de Angiostrongilose através de testes serológicos. Estes testes são mais rápidos que a coprologia e permitem a detecção de antigénios específicos do parasita Angiostrongylus vasorum no sangue de animais infectados.

 

Outros

Outros métodos disponíveis, mas menos comuns, incluem métodos moleculares (como o PCR) ou lavagens broncoalveolares.

 

Imagiologia

Uma vez que os métodos radiográficos (radiografias e imagem avançada como TAC) têm frequentemente resultados pouco específicos, não permitem um diagnóstico definitivo de Angiostrongilose. No entanto, são úteis e muito importantes para compreender as lesões existentes (a nível pulmonar e neurológico, por exemplo).

A ecocardiografia pode também ser útil na avaliação de potenciais lesões às câmaras cardíacas, válvulas e vasos, uma vez que o parasita se aloja na artéria pulmonar e no pulmão.

 

Análises sanguíneas

As alterações hematológicas e bioquímicas em animais infectados com o Parasita do Pulmão parecem ser algo variáveis e por isso, também pouco específicas. Ainda assim, poderão ser encontradas alterações sugestivas de processos inflamatórios ou infecciosos e elevações nas proteínas (entre as quais as globulinas), podendo levantar então uma suspeita para respostas imunitárias e/ou parasitárias.

 

Tratamento

 

Felizmente a Angiostrongilose tem tratamento, e que em primeiro lugar deve ser orientado à eliminação do parasita e ao controlo dos sinais clínicos. O Parasita do Pulmão é sensível a alguns agentes antiparasitários e existem diferentes protocolos que podem ser utilizados para o seu controlo.

 

A necessidade de internamento dos animais infectados depende da gravidade das lesões e dos sinais clínicos manifestados. No entanto, e ainda que possam ser ligeiros, o controlo dos sinais clínicos é essencial de forma a garantir uma recuperação célere e a diminuição da possibilidade de lesões permanentes.

 

Após tratamento, a maioria dos animais infectados recupera completamente. O tempo de recuperação é variável e depende da gravidade das lesões e da carga parasitária. Contudo, quanto mais precoce for o tratamento melhores as possibilidades de recuperação.

 

Prevenção

 

Em áreas onde se sabe que existe possibilidade de infeção, o melhor procedimento é a prevenção, administrando aos nossos cães desparasitantes adequados, de forma regular. Na prevenção específica de Angiostrongylus vasorum, recomenda-se a utilização mensal de desparasitantes internos com efeito reconhecido sobre o parasita A. vasorum.

 

Outras medidas de prevenção passam por evitar a disseminação dos parasitas que pode, e deve, ser feita através da recolha das fezes dos nossos animais. Desta forma, a possibilidade de infecção de outros animais baixa e o ciclo de vida do parasita é interrompido.

 

A melhor recomendação é a prevenção – garantir que mantém a desparasitação do seu cão em dia, recorrendo a produtos adequados e não esquecendo a sua administração.

 

É importante lembrar que a administração dos antiparasitários  deve ser ajustada ao peso do seu cão, aos perigos específicos da sua zona geográfica e ao estilo de vida que proporciona ao seu cão (acesso exterior, contacto com espaços verdes, etc).

 

Na dúvida, consulte o seu Médico Veterinário que lhe indicará a melhor solução para manter os seus animais de estimação protegidos e seguros.

3226
Add

Angiostrongylus vasorum – o “parasita do pulmão”

Os parasitas internos são já conhecidos de todos nós. Uns aparecem com maior frequência do que outros, alguns aparecem relacionados com a idade ou estilo de vida de cada animal e há parasitas que podem ter consequências mais graves nos nossos animais. Nesta última categoria aparece o parasita de que hoje falamos: o Angiostrongylus vasorum, o parasita do pulmão.

O Angiostrongylus é um nemátode (verme redondo) responsável por provocar uma doença nos cães denominada Angiostrongilose canina. Este parasita necessita de diferentes tipos de hospedeiros para se desenvolver e reproduzir. Requer hospedeiros definitivos (animais que são parasitados pelos parasitas adultos) e hospedeiros intermediários (animais onde se encontram formas larvares ainda em desenvolvimento).

Neste caso os hospedeiros definitivos são os canídeos (cão e raposa) e os hospedeiros intermediários são o caracol e a lesma.

As raposas são também hospedeiros reservatórios deste parasita. Com o aumento da população de raposas (animais silvestres sem acesso a tratamento), o número de cães diagnosticados com Angiostrongilose também tem vindo a aumentar.

Ciclo de Vida do Angiostrongylus vasorum

O Angiostrongylus vasorum, ou Parasita do Pulmão, é um pequeno verme que, desde o ovo ao parasita adulto, passa por 5 estádios larvares (L1, L2, L3, L4 e L5). Assim se processa o seu ciclo de vida:

1. Os canídeos infetam-se ingerindo caracóis ou lesmas contaminados com formas larvares (L3). Os canídeos também se infetam ingerindo água ou erva húmida contaminada pelas secreções de caracóis e lesmas.

2. As larvas ingeridas vão até ao intestino delgado do cão e migram para os gânglios linfáticos onde permanecem até dar origem a formas larvares mais desenvolvidas (L4 e depois L5).

3. As larvas depois migram, através do sistema linfático, até entrarem na corrente sanguínea. Atingem o ventrículo direito e as artérias pulmonares. É aqui que ocorre o desenvolvimento final e os parasitas atingem a sua forma adulta.

4. No ventrículo direito e artérias pulmonares do cão, passam a existir formas parasitárias adultas, a reproduzir-se ativamente. As fêmeas de Angiostrongylus vasorum libertam ovos na corrente sanguínea. Os ovos atingem os capilares pulmonares onde se inicia o desenvolvimento de novas larvas (L1).

5. Estas novas larvas atravessam as paredes dos brônquios e os alvéolos pulmonares, entrando nos pulmões. O cão tosse, o que ajuda as larvas a “subirem” até à faringe, onde são engolidas. As L1 percorrem todo o trato gastrointestinal até serem eliminadas para o exterior juntamente com as fezes. Estas larvas conseguem manter-se vivas durante vários dias.

6. Os caracóis e lesmas ingerem estas fezes contaminadas. Dentro deles, as pequenas larvas crescem (de L1 para L2 e depois L3) até se tornarem formas larvares infetantes. A partir daí, os parasitas estão prontos para infetar um novo canídeo.

Os parasitas adultos podem manter-se vivos durante todo o tempo de vida do seu hospedeiro. Deste modo, as infeções têm tendência a ser crónicas.

Embora qualquer cão possa ser afetado por este parasita, os cachorros são os mais suscetíveis. Pode dever-se ao facto de os cachorros serem mais curiosos e quererem experimentar tudo com a boca (incluindo ingerir caracóis e lesmas). Por este motivo, é fundamental haver um cuidado especial com o programa de desparasitação dos cães mais novos.

 

Quais são as lesões que os cães infectados podem sofrer?

 

Um cão com Parasita do Pulmão pode estar sem sintomas durante muito tempo. As alterações podem ser ligeiras, no início da doença. Mas, em estados avançados, o parasita pode causar a morte do seu hospedeiro.

Ao conhecermos o trajeto do parasita no interior do organismo do cão, conseguimos compreender melhor as lesões que podem surgir. As principais alterações verificadas na Angiostrongilose são, cardiorrespiratórias, hematológicas e neurológicas. Como os sintomas inicialmente podem ser ligeiros, é difícil aos tutores detetarem alterações que indiquem que o seu cão necessite de ajuda médica. Assim, muitos cães só são diagnosticados quando a doença alcançou já uma fase crónica, mais grave.

Que alterações podem ocorrer no corpo do nosso cão?

  • Alterações Cardiorrespiratórias
    • os ovos dos parasitas que atingem os pulmões e a migração das larvas causam irritação e inflamação. O aspeto dos pulmões altera-se e com isto surge sintomatologia respiratória (desde tosse ligeira, até dificuldade respiratória severa).
    • os parasitas adultos no interior das artérias pulmonares e do ventrículo direito, levam a um esforço no trabalho cardíaco e lesão no interior destes vasos. Há risco de trombose, hipertensão pulmonar, insuficiência cardíaca congestiva e hemorragias pulmonares.
  • Alterações Hematológicas e de Coagulação
    • diversos tipos de hemorragias (desde pequenas e localizadas, até severas e que colocam o animal em risco de vida).
    • podem ocorrer perdas de sangue significativas na urina, através do nariz ou boca, hemorragias na pele (petéquias e equimoses) ou nos olhos.
  • Alterações neurológicas
    • os problemas respiratórios e cardíacos podem impedir irrigação sanguínea e oxigenação cerebral suficiente.
    • os problemas de coagulação e hematológicos podem causar hemorragia ou trombose cerebral.
    • excecionalmente, pode ocorrer a migração de larvas parasitárias até ao cérebro do canino afectado (denominadas migrações erráticas dos parasitas)
  • Morte: pode ocorrer, especialmente quando não se previne nem se deteta a doença atempadamente. Os eventos responsáveis são geralmente a insuficiência respiratória muito grave ou hemorragias severas.

 

Zonas de risco

 

O Parasita do Pulmão foi primeiro identificado em França. Durante muitos anos, os casos descritos de Angiostrongilose canina estavam limitados a zonas muito específicas e bem localizadas. O parasita aparece em zonas onde o clima é temperado e húmido.

Com as alterações climáticas, o aumento de cães a viajarem com os seus tutores de um país para outro e o incremento da população de raposas próximas das zonas urbanas, tem-se visto um aumento dispersão da Angiostrongilose.

Em Portugal já foram detetados casos positivos no Norte, Centro e Sul do país. Há indícios de que o parasita se encontra disperso por todo o território nacional, considerando-se uma doença parasitária emergente. É muito provável que vejamos nos próximos tempos cada vez mais cães com esta doença.

É muito importante para a saúde dos nossos cães que cumpramos planos de desparasitação eficazes que previnam também o Parasita do Pulmão. Só desta forma podemos manter protegidos os nossos amigos e travar a dispersão parasitária pelo território nacional.

6252
Add